Sobre o Museu

O Museu Virtual da Biodiversidade consubstancia um projeto de “serviço público” que visa a promoção do conhecimento sobre a “teia da vida” e os habitats e ecossistemas onde ela se tece, junto da população e, com particular incidência, dos jovens dos diferentes níveis escolares.

A prossecução deste objectivo concretiza-se através de ações inseridas em três fileiras distintas:

  • Apoio aos professores dos ensinos básico, secundário e superior, facultando-lhes recursos didáticos relacionados com os programas de Ciências Naturais;
  • Oferta aos jovens, de modo aliciante, de informação sobre a fauna, a flora e os macro fungos de Portugal, bem como sobre as suas interações a nível dos habitats e dos ecossistemas;
  • Construção de plataformas de interação com a população que incentivem a observação da natureza e carreiem informação para o Museu.

Nesta perspectiva, o Museu desenvolve-se em torno de um pilar central que consiste num repertório das espécies de animais, de vegetais e de macro fungos mais representativas do património natural português, e sua caracterização com recurso a fotografia, ao vídeo e ainda a registos sonoros, quando tal se justifique, e a quaisquer outras representações que a tecnologia permita.

A partir deste pilar, verdadeiro cerne do Museu, emergem eixos transversais tais como:

  • Eixo lúdico: destinado aos mais jovens; compreende desenhos, jogos, puzzles, que incentivam a observação e o registo cognitivo das espécies mais comuns;
  • Eixo colecionista: destinado às classes etárias correspondentes ao ensino básico; consiste na realização de coleções de cromos em cadernetas, com fotografias de espécies;
  • Eixo concursal: consiste na realização de concursos (com diferentes graus de dificuldade) destinados ao escalão etário correspondente ao ensino secundário, com a finalidade de premiar o conhecimento naturalista;
  • Eixo de autoaferição: consiste na disponibilização on-line de testes de escolha múltipla, através dos quais qualquer pessoa poderá testar os seu nível de conhecimento. Os testes compreendem um conjunto de perguntas, disponibilizadas sucessiva e aleatoriamente;
  • Eixo interativo: destinado a sensibilizar a população a participar no Museu através do envio de informação útil, designadamente para a construção dos mapas de distribuição geográfica das espécies;
  • Eixo “natureza viva”: consiste na realização de video-clips de curta ou média duração, em que um especialista desenvolve, no terreno, a descrição de uma situação concreta. Por exemplo, a zonação biológica no substrato rochoso, na zona intertidal.

O repertório geral das espécies e os seis eixos transversais consubstanciam o Museu Virtual da Biodiversidade. Como se compreenderá face à vastidão da “teia da vida” e às possibilidades de representação potenciadas pelas tecnologias de informação, comunicação e imagem, o Museu nunca será uma obra acabada. Procura-se, contudo, atingir um patamar mínimo de funcionalidade que consideramos assegurado quando estiverem referenciadas, na sua maioria, as espécies características dos Parques Naturais e Zonas Protegidas de Portugal.

Esperamos que o MVBIO seja uma ferramenta útil e agradável para todas as pessoas com curiosidade pelo fantástico mundo da biodiversidade portuguesa.

Pesquisem, aprendam e divirtam-se!

A equipa MVBIO

Miguel B. Araújo

Prof. Miguel B. Araújo

CIBIO-InBIO - Universidade de Évora         Coordenador do CIBIO-UÉ                                   email: mba@uevora.pt

Sobre o Miguel

Jorge Araújo

Prof. Jorge Araújo

CIBIO-InBIO - Universidade de Évora           Director e Coordenador científico do MVBIO email: jaraujo@uevora.pt

Sobre o Jorge

David Germano

David Germano

CIBIO-InBIO - Universidade de Évora               Gestão científica e comunicação do MVBIO email: dlcg@uevora.pt

Sobre o David